domingo, 12 de julho de 2009

De mim, pra mim.


Tá acabando a vodca
. Pensou enquanto bebia o último copo de cuba. Acendeu um dos cigarros de filtro amarelo e respirou fundo. No som, tocava uma música calma de uma banda britânica. Lá fora, chovia sem parar. Ah, esse é o vento sul, então.

- Hold my head inside your hands, I need someone who understands - cantou com a música - Just say you'll wait, you'll wait for me.

Nesse momento, eu paro com a ficção pela primeira vez. Não quero provar nada, assustar ninguém, magoar outros, enfim.

Tudo acima acabou de acontecer no dia 11 de julho de 2009 às 21:46. E o que vai ser escrito a partir de agora é pra mim. Pra eu tentar me entender melhor. Ou pra piorar mais a situação.

Eu só quero dizer que estou cansada. Estou numa cidade nova, tentando de novo. Está tudo ótimo por aqui. Minha amiga de quarto me mima, me entende, me aconselha, sofre e ri comigo. Não podia pedir por alguém melhor pra estar ao meu lado.

A paixão bateu na minha porta pela segunda vez em menos de um mês. E eu, de novo, vou vivendo até onde dá. Todo mundo sofre, eu sei, mas só posso falar de mim, obviamente.

Enquanto o Camelo me diz: É, morena, tá tudo bem. Eu digo: Tá, sim, Camelo, tudo bem. Mas tá tudo bem mesmo? Tava conversando com a Suca ontem e comentei que sempre faço tempestade em copo d'água. Nessas, eu continuo...

Com 22 anos, digo, cansei de procurar pelo amor. Sei que isso não é tudo na vida e, o que é o amor, afinal? Nos textos demonstro que realmente não sei. E, sinceramente, não sei se ele existe mesmo. Me apego fácil às pessoas. Se eu percebo que não vai dar certo, tudo acaba logo. Quem me conhece, sabe. Não consigo esconder as coisas por muito tempo, mesmo tentando com todas as minhas forças.

Falando em tentar, não sei porque os relacionamentos com quem acreditei que daria certo, terminaram em pouco tempo também. Pode ser por falta de tentar realmente, se jogar e viver. Pode ser pelos clichês da vida ou eu acreditei quando não deveria. Não sei. Mas não é aí que eu quero chegar. Só o que eu quero dizer eu já disse: cansei de procurar.

Não vou deixar de tentar, tenho certeza. Mas sabe aquele pensamento idiota que permanece na cabeça? Ah, os serás, né? Será que vai dar certo, será que vou sofrer de novo, será que vai valer a pena?

Tudo o que eu quero é encontrar o meu alguém. Papo besta de adolescente ou sei lá, né. Mas, putz, cara: cantar pra alguém, ligar pra alguém, pensar em alguém, dançar com alguém, fumar com alguém, beber com alguém, transar com alguém, dormir com alguém, ver o brilho nos olhos desse alguém e ter certeza que é isso. Ter certeza mesmo, sem nenhuma dúvida, de que esse alguém "foi feito" pra mim.

Cinema já vou fazer. Me jogar na vida, eu já me joguei. Com medo, mas vim. Viajar pra Europa, pra Argentina, pros Estados Unidos, até pra China é fácil. E o meu alguém, cadê? Sentir 'coisas' por uma pessoa nesse momento, já sinto, mas: oi amor, é tu? (risos). Não sei, pode ser. A situação uma hora vai se desenrolar e tenho dois destinos: ganhar ou perder.
Sinceramente? Já me acostumei com o sofrimento. Triste dizer isso, mas, se não der certo, não vou me surpreender. E bora lá superar, de novo. Agora, se o jogo terminar com pelo menos 80% ganho, já me serve. O que eu não quero é jogo sujo. Eu que vim embora, metade da 'culpa' é minha. E só depende de duas pessoas pra coisa funcionar. Enfim.

Tá uma chatice esse texto. Prefiro ficção (risos). E, pô, já tá decidido e estampado na vida e na outra música do Camelo: eu vou pra ver no que vai dar.
Sei que tenho muito o que viver ainda, muito o que vivenciar, muito o que sofrer, muito o que tentar.

Nesse momento, agradeço todo mundo que faz parte da minha vida. Os que fizeram e fazem bem. E os que fizeram mal. Porque, afinal, fazer mal também é válido.

Quero viver tudo. Mas ainda quero que o amor me encontre somewhere over the rainbow. Espero ansiosa por uma resposta dele. Do amor, digo.
Nesse momento, peço desculpas se por um acaso tenha falado alguma coisa indevida. Mesmo ter mencionado anteriormente que isso não é pra ninguém, além de mim.

Chega de papo. Agora eu só espero e desisto de procurar. Que ele me encontre, se é que existe e se é que já não me encontrou.

Será? (risos)

Quem eu amo (?), sente. E aqui fica um beijo sincero e uma saudade tremenda.

Aguardem por textos fictícios (mais ou menos né), em breve eles voltam.

4 comentários:

cláudia i, vetter disse...

de dentro pra dentro a gente sempre espera,
tudo é possível - até naquilo que se conta; há sempre as verdades nas palavras, pois é o mais fundo de nós, o perigo do ser humano.

;)

sem tentar, nada de saber

beijo!

Vinicius disse...

1. se a paixão bateu na sua porta, é sinal de sorte. às vezes ela só passa na janela, como um vulto que fica na memória mas não para para uma visita.
2. é bom acreditar e desacreditar no amor. porque já falaram tanto nele que a gente procura por alguma coisa que está como que numa memória coletiva. quando você encontrar um sentimento bom, você vai saber, e não tente dar um nome, enquanto isso, sofra de amor mais algumas vezes, ligue e desligue paixões de esquina e dance com desejos bobos.
3. é engraçado quando a gente fala que quer um alguém né, porque ao mesmo tempo que parece poder ser qualquer um, pra gente não é. isso de querer alguém pra fazer algo é engraçado, tenho um caderno com anotações de coisas que quero fazer com alguém, bem específicas como ler um livro inteiro sussurrando no ouvido dessa pessoa, ir na biblioteca ler poesia enquanto troca carinhos só de meia embaixo da mesa. coisas assim.
4. o mais importante é que você está pensando sobre isso, julgando e tudo mais. porque tem gente que se acomoda. e um amor, ou aquele sentimento sem nome que eu falei, tem que ser o mais foda do mundo, não pode ter defeito nenhum, porque até os defeitos serão apenas cenas de filmes, que no fundo são bonitas. nada de defeitos comuns e bobos. tem que ter defeitos charmosos. boa sorte com tudo.
(acho que falei demais)

Tati Plens disse...

o díficil é quando você cria uma imagem para esse amor e nunca consegue se livrar totalmente dela, quando surge uma pessoa, você está tão ligada nessa máscara, que a deixa passar.

Marilena disse...

De mim pra ti. Não é porque se tem 22 que se desacredita e acredita no amor, com 40 ou 48 anos também é assim. Pessoas amam. Amam o sonho e acordam. clichês e breguises acontecem: "Se chorei, ou se sorri...o importante é que emoções eu vivi... repetir pra si mesmo, muitas e muitas vezes a mesma coisa é bom e dizer Eu me amo, me aprovo e me aceito faz com que nossos erros sejam mais leves na apuração das somas e perdas da Vida. Eu por fim, grito: EU TE AMO!... EU TE AMEI ONTEM, EU TE AMO E APROVO HOJE, E EU TE AMAREI E ACEITAREI PARA SEMPRE!!!